A ROSA DO FIM DO MUNDO ( CÂNTICOS PROFÉTICOS )

domingo, 26 de outubro de 2014

A Lápide


       











" Queime o seu demônio interior..."
   Jim Morrison 
  ( Poeta e Músico):

   Em sua Lápide  ( França ).







Ainda quente o corpo na lápide fria,
Singelo instante deteriorante,
Êxtase descarnal da injúria
Da despedida fugaz da vida.

Nas abomináveis noites nunca amanhecidas
Esplendoroso êxtase do momento
Saindo os vermes a cada poro do corpo
Sintetizados pelo próprio ser.

Hão de encontrar outra saída,
Na perambulante sordidez do desencanto,
E reinar a verdade absoluta
Tão próxima de nossas mãos.























6 comentários:

  1. Poema seco e frio. Num jogo de palavras, o seu poema foi bem lapidado. E corpo é sempre quente pois ainda permanece vivo nas palavras e memórias dos que o enterraram. Parabéns doutor!!!

    ResponderExcluir
  2. Grande Oton Bastos:

    Vindo de você um mestre das palavras, fico intensamente honrado pela amizade e atenção em dispor o seu precioso tempo comigo!
    saudações literárias!

    ResponderExcluir
  3. todas as injustiças aos mortos são reparadas com uma flor na lápide. mas o corpo quente merece a eternidade do amor.
    meu carinho, poeta.

    ResponderExcluir
  4. O inexorável momento não se dissipará
    Ao nosso desencontro na vida!
    Nele se multiplicarão, tendo posto o instante,
    No limbo da desilusão.
    Ficando apenas nossa saudade, sendo o bem mais precioso
    Que cultivamos em vida e que nos distingue!

    Beijos Querida Poetisa!

    ResponderExcluir
  5. Caro Rosseto,

    Belo poema. A escolha de The End do The Doors foi apropriadissima.
    Parabens

    Um abraço

    Edimo Ginot

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Ginot:

      Fico feliz com o seu comentário e sempre é bom ter sua presença e volte sempre!

      Abcs do amigo!

      Luis

      Excluir