A ROSA DO FIM DO MUNDO ( CÂNTICOS PROFÉTICOS )

sexta-feira, 16 de março de 2012

Paz, ainda que tardia





Ontem, tive saudades do futuro.
Apesar desse pisar no escuro,
Cultivamos a perdida lembrança
De sermos felizes com esperança.

Éramos irradiantes, andando
Em busca dos sonhos e desvendando
A cada passo, sem perder a calma,
O sol tangenciando nossas almas.

O tempo amarelou os sorrisos
Inexplicavelmente. Mais do que isso:
Foi implacável com os nossos ideais,
Desmoronando todos os frágeis umbrais.





Dante e Virgílio diante do portal do Inferno (Canto III).
Ilustração deWilliam Blake (século XVIII).