A ROSA DO FIM DO MUNDO ( CÂNTICOS PROFÉTICOS )

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Poema do suicida











A William Bach,
(in memoriam)


Era jovem, todo enamorado
Pelos acordes da vida.
Como um fado mal cantado
De porta em porta
Desvendando o melhor de mim.
Mas o tempo fez-me coitado,
Pôs rugas neste semblante emaranhado
Como feridas incicatrizáveis.
Apagando meus cantos
E descontrolado fiz do meu dominó
Todo cortado e sangrando:
Pois saí da vida
Antes que ela saísse de mim.