A ROSA DO FIM DO MUNDO ( CÂNTICOS PROFÉTICOS )

domingo, 25 de setembro de 2011

O amor...

















O amor...
Não nasce assim... De surpresa.
Ele é fruto de sinceridades
Mutuamente sentidas.

É todo um magnetismo
Na ofuscante descoberta
Em que a cada troca de olhar
Verifica-se o amor crescendo.

Não é apenas um tocar.
É também um eterno
Pensar e sentir.

É todo um ato de confiança:
Um entregar por inteiro,
       Sem ter que temer o falso amor



imagem por:

http://coisasdemaecoruja.blogspot.com/2010_04_01_archive.html






11 comentários:

  1. Lindo!
    Vou publicar no meu blog Veredas, com todo o respeito.
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Que lindo!!! Falar de amor, é falar da própria vida!!!

    ResponderExcluir
  3. Carmen, fico enaltecido e embevecido com sua bela existência!
    saudações literárias!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Amor é um diamante bem lapidado.
    Uma jóia rara que nunca se perde.
    É o sentimento mais puro e o mais dolorido também.

    ResponderExcluir
  6. O amor na sua visão é idealizado e maduro ao mesmo tempo. Só mesmo o senhor para captar esse paradoxo existente num sentimento tão recôndito e, ao mesmo tempo, tão sem limites. Mais uma vez, parabéns!!!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Bastos: Grande amigo: Que sensibilidade a sua de captar alguma coisa de boa nos outros! grato por sua atenção!

    ResponderExcluir
  9. A melhor jornada para o Amor é o espetáculo da vida.
    Adorei!
    meu carinho, poeta!

    ResponderExcluir
  10. Rita Schultz: sempre generosa com sua palavras!
    seja sempre bem vinda! bjs!

    ResponderExcluir